Contos de Virgem: Fodendo minha cunhadinha virgem

Fodendo minha cunhadinha virgem. Meu nome é Luiz, tenho 35 anos, sou casado a 6 anos com uma mulher muito bonita de 29 anos e tenho um filho com ela. Essa história que vou contar aconteceu em 2015, no começo do ano mais precisamente.

A família da minha esposa é do Rio Grande do Sul e a gente mora no interior de São Paulo. Meus sogros e minha cunhada sempre passavam as férias aqui em casa ou a gente lá e eu ficava louco. Minha cunhadinha é uma ninfetinha que nessa época tinha 18 anos, era bem tímida e estudiosa. Desde que comecei a namorar com a irmã dela eu notava que a Luana sempre me olhava meio tímida e as vezes com ar de apaixonada. Até minha esposa já tinha comentado que achava que minha cunhada era apaixonadinha por mim por causa da forma que ela ficava na minha frente.

Um dia ela veio passar as férias aqui em casa e ia pra uma festa com as amigas que ela fez aqui no prédio. Eu fui fazer a barba e quando saí do banheiro e fui até o quarto da minha esposa, acabei flagrando minha cunhadinha peladinha procurando roupa pra vestir. Foi rápido mas vi como a bunda dela era gostosa, sem falar na bocetinha pequena e toda lisinha.

Eu me desculpei, ela gritou pra eu sair, ficou vermelha, eu saí e voltei para o banheiro. Apesar da tensão, depois de ver essa cena tive que bater uma punheta pra aliviar o tesão que aquela visão me deu. Quando saí ela tava pronta, com uma calça justinha, uma blusa coladinha que deixava seus peitinhos marcados, toda maquiada e com uma cara de envergonhada.

Eu pra quebrar o gelo desejei que ela se divertisse e disse que ela não ficasse com vergonha porque ela era uma pirralha e eu não sentia nada vendo ela nua, mas parece que ela não gostou muito de ouvir isso e ficou de cara feia.

No dia seguinte ela dormiu até tarde e uma colega dela aqui do prédio pediu pra eu acordar ela porque tinham combinado de ir na praia. Eu fui lá e vi ela dormindo só de calcinha e sutiã, fiquei um tempo olhando mas logo acordei a Lu. Ela levantou, foi tomar banho e na volta pediu pra eu ajudar ela já que minha esposa aos sábados sempre se encontrava com as amigas.

Eu perguntei o que ela queria e era ajuda pra amarrar o biquíni, fiquei doido e dessa vez notei que ela tava diferente, ela tava mais safada, ela me agradeceu e saiu rebolando e eu mais uma vez fui tocar uma punheta fantasiando como seria chupar aqueles peitos gostosos, metendo a língua naquela boceta gostosa.

Toda vez que minha mulher saia de casa ela era safadinha comido, já tinha virado rotina e eu não aguentava mais. Um dia minha mulher que era engenheira de uma construtora daqui, me ligou e disse que só chegaria em casa por volta das 17 da tarde e pediu para eu comprar comida ou almoçar fora com a Lu.

Escolhemos pedir comida e ela só dizia que ia engordar comendo tanto e passava a mão na sua barriga gostosa e mandava eu olhar como ela tava gorda. Tava na cara que aquilo era para me provocar. Ela perguntou o que eu achava dela, eu disse que era melhor não responder, mas ela insistiu e eu disse que achava ela muito gostosa. Ela abaixou a cabeça tímida e deu um sorrisinho.

Vi a tatuagem safadinha dela e fiquei com tesão

Ela disse que tinha feito uma tatuagem e abaixou um pouco do short pra me mostrar, a safadinha fez uma tatuagem no pé da barriga, quase descendo pra testa da sua bocetinha. Eu fiquei louco e disse pra ela não fazer isso porque a carne é fraca, mas na mesma hora avancei nela e dei um beijo na sua boca. Ela não resistiu, me beijou e soltou um gemido. Nessa hora aproveitei e toquei na sua bocetinha que tava bem molhada então ela foi se afastando e disse que era virgem e não tava com coragem de fazer algo comigo assim.

Eu tava sem aguentar, disse que seria carinhoso e ia fazer ela relaxar, puxei ela pra um beijo e senti minha cunhadinha tremendo, levei ela pra cama, fui tirando a roupa dela devagar beijando cada pedacinho do seu corpo e quando cheguei nos seus peitinhos dos biquinhos rosados eu cai de boca e comecei a mamar gostoso, deixando ela louca soltando gemidos baixinhos e fazendo carinho nas minhas costas.
– Promete que vai devagar comigo? tô nervosa! – Ela disse e eu afirmei que ela ia gostar, então perguntei se ela já tinha chupado um pau, ela disse que não e eu coloquei o meu pra fora e mandei ela pegar. Ela começou a segurar meu cacete e ensinei pra ela como se faz e logo a safada ficou fera em tocar uma punhetinha.

Eu pedi pra ela chupar meu pau mas ela era tão desajeitada que deixei pra lá e fiz ela deitar de pernas abertas para eu chupar sua bocetinha. Vi essa gatinha ficar louca quando enfiei minha língua na sua xaninha virgem, ela pulava, se contorcia, gemia e eu notava ela ficar mais molhadinha ainda. Eu subi em cima dela e fui encaixando meu pau no meio das suas pernas, comecei a roçar pra deixar ela mais excitada e ela ficava me puxando pra eu ficar mais próximo dela.
cunhadinha virgem
De repente ela sem aguentar mais pediu:
– Me come cunhadinho, tô nervosa mas to morrendo de vontade de sentir você dentro de mim – E eu claro fui enfiando devagar, senti ela gemer de dor, pedir pra parar e eu continuei e disse que ia ficar bom.

Quando enfiei o pau todo ela não aguentou e pediu pra eu ir com calma então comecei a meter devagar e depois que notei que tinha parado de doer mais eu fui aumentando o ritmo. Foi gostoso demais sentir a bucetinha da Luana esmagando minha pica, ela era muito apertadinha. Eu aumentei mais ainda o ritmo, ela dizia que tava doendo mas que tava gostoso e me apertava com as pernas, gemia e eu ali no vai e vem.

Ela já tava tão a vontade que começou a rebolar, mexer o quadril no meu pau e eu tava a ponto de gozar então pedi pra ela ficar de quatro e disse que era melhor, aí eu fiquei louco vendo aquele cuzinho claro e aquela boceta rosadinha bem na minha cara. Passei a língua mais uma vez e depois meti. Ela tava toda melada, foi até fácil entrar e ela começou a urrar, eu bati na bunda dela e pedia pra essa putinha rebolar pra mim.

Enquanto eu metia e ela gemia gostoso resolvi brincar com seu cuzinho e coloquei um dedo, ela começou a engolir meu dedo com seu cuzinho virgem e fiquei estimulando enquanto comia sua boceta. Ela gemeu feito louca, se contorceu inteira e senti que ela tava gozando. Eu me segurei mas acabei gozando também.

Ela nem sabia o que era um orgasmo e depois disso ficou viciada em dar pra mim quando minha esposa não estava em casa. Esse ano ela vem passar as férias de novo aqui em casa e eu mal posso esperar pra foder minha cunhadinha de novo.

Categorias:

Contos de Virgens