Eu me chamo Marcos, tenho 27 anos e vou contar como comi a faxineira do condomínio, uma mulata gostosa de uns 30 anos chamada Fabi.
Eu saí de manhã cedo e fiquei latejando na mesma hora que vi ela regando as plantas com aquela calça de lycra marcando o rabo gostoso e redondo, dava pra ver que ela tava com um fio dental delicioso, tava pedindo uns tapas. Ela deu bom dia e eu tenho certeza que ela viu meu pau duro por ela, eu sorri de volta e passei o dia no trabalho pensando em tudo que eu queria fazer com ela.
Quando voltei ela já tava pronta pra ir embora, não aguentei e chamei Fabi pra tomar um vinho no meu apartamento… Ela disse que não queria que todo mundo visse e subiu depois de mim. Eu já tava louco por ela.
Quando ela bateu na porta eu entreguei a taça de vinho e ela entrou sorrindo, dizendo que estava surpresa com o convite.
Eu confessei minha admiração por ela e não consegui esconder meu pau duro de novo.
Fabi prontamente passou a mão de leve, me fazendo tremer e ficar mais duro ainda, querendo uma mamada daquela boca carnuda.
Agarrei ela pela cintura, deixamos o vinho de lado e eu esfreguei a bucetinha dela por cima da roupa, dava pra sentir que ela já tava molhadinha pra mim. Ela era safada e logo abriu o meu zíper e engoliu minha pica chupando com vontade enquanto se tocava, olhando pra cima com cara de quem queria dar a noite toda.
Eu tirei a roupa dela e deixei ela só de calcinha, uma calcinha que era quase de tiras, branquinha, me deixando maluco pra socar naquela gostosa.
Botei ela de quatro e matei minha vontade chupando a buceta molhada dela, ela gemia e empinava mais a bundinha, quanto mais ela botava pra cima mais eu enfiava a minha língua e sugava gostoso.
Eu queria foder ela com força, soquei de uma vez e ela gemeu bem alto, segurei ela pela cintura e meti até ela gozar no meu pau… Essa morena me deixava doido.
Ela pulou em cima de mim no sofá e começou a quicar e me pedir pra bater na bunda tesuda. Dei uma surra enquanto mamava seu peitinho delicioso, que cabia na minha boca. Nunca fodi tão gostoso na vida, eu só queria meter e gozar na boca dela.
Até que ela virou de costas e pediu pra eu não me mexer, eu nem fiz isso porque obedecer na hora pareceu certo… e foi. Eu senti ela botando a cabeça do meu pau no cuzinho apertado e todo melado da gozada que ela deu. Ela sentou bem devagar e começou a rebolar no meu colo, mudei de ideia e queria gozar no cu dela, eu continuei batendo no rabo enquanto ele subia e descia, ela gemia e pedia mais, eu sentindo que ia gozar rapidinho. Eu não tava aguentando mais e fui socando sem dó na bunda até gozar dentro dela.
Fabi ofegava bastante e dizia que queria mais… Não deixei ela ir embora, decidido a deixar ela toda assada. Levei ela pra minha cama e ela caiu de boca mais uma vez, me deixou duro em pouco tempo e voltou a quicar a bucetinha pra mim. Mexeu que nem uma louca e gozou delicioso de novo, acordando o prédio todo porque a gente tava trepando há muito tempo e tinha alguém dormindo com certeza.
Caímos ao lado um do outro e eu sabia que ela ia dar pra mim de novo, afinal ela já sabia onde eu morava e eu me apressei em convidar Fabi pra voltar. Aquela morena não ia sair da minha cabeça, nem o rabo dela.

Categorias:

Contos Empregada