Arrombando o cu do meu filho viadinho

Eu sou o Rafael, tenho 42 anos, sou hétero e tenho um filho viadinho de 19 anos que tem o mesmo nome que eu. Me separei da mãe dele a muito tempo e convivi pouco com ele, mas depois de um tempo a gente passou a conviver mais e comecei a perceber que meu filho era meio afeminado e fiquei meio puto com isso, demorei pra aceitar que ele é gay, minha cabeça sempre foi muito machista pra entender isso.

Meu filho é magrinho, branquinho, cabelos lisos e castanhos, tem olhos verdes como a mãe, e posso dizer que ele é quase uma cópia mais masculina dela. Depois de um tempo ele começou a tretar com o novo marido da mãe e perguntou se poderia passar um tempo comigo, claro que deixei. Moro no Rio e meu filho em São Paulo, não é tão longe, ele poderia visitar a mãe sempre que quisesse.

Os dias iniciais com ele aqui em casa foram legais, a gente passou a ir na praia todos os dias, eu adoro pegar onda, ele se empolgou e comecei a ensinar ele. Em uma dessas vezes da gente na praia, notei meu filho olhando sem parar para o volume do meu pau marcando na bermuda tactel e notei que o pau dele tinha ficado duro na sunga mas ignorei, não queria imaginar que meu filho tava com tesão no próprio pai, mas era assim, toda vez que a gente ia na praia eu notava ele me olhando com tesão, ficava constrangido pra caralho.

Depois da praia chamei ele pra gente sentar em um barzinho pra tomar todas e conversar igual a homens, então ele topou e começamos a tomar uns chopps e eu curioso perguntei da vida do meu filho, cheguei a conclusão que a gente mal se conhecia.

-E as namoradas cara? -Perguntei tentando fingir que ele não era gay.

-Ahh pai, tá parecendo minha mãe perguntando essas coisas, eu não tô interessado em ninguém.

Ele respondeu e ficou um silêncio na mesa, chopp vai, chopp vem, mudamos de assunto, falamos sobre ele começar na faculdade de arquitetura, mas eu tava intrigado, no fundo eu ali já tava querendo saber se meu filho tinha dado o cuzinho para alguém.

Voltei com ele pra casa no fim da tarde, eu já tava quase bêbado por causa das cervejas, pedi pra ele ir dirigindo, tirei minha bermuda e fiquei só com a sunga dentro do carro. Meu filho não tirava o olho do volume do meu pau. Eu tenho 22 centímetros de pica dura e sou bem sacudo, então meu volume fica mais do que evidente.

Em casa abri a geladeira, liguei o som e comecei a ouvir uma música enquanto tomava umas cervejas e esperava o Rafa sair do banho. Ele saiu de toalha, eu tava tomando todas e na hora do nada meu pau ficou duro, puta que pariu, fiquei morrendo de vergonha na hora e ele não tirava o olho da minha vara.

-Que isso cara? tá olhando para o pau do teu pai? Não é a primeira vez que vejo isso.

-Que isso pai? você tá me faltando com o respeito.

Ele saiu ofendido para o quarto dele e eu mesmo com raiva tava com um tesão da porra, fui para o banheiro tomar um banho e comecei a me masturbar pensando no cuzinho do meu filho. Eu me sentia com raiva dele por sentir tesão e sabia que ele também sentia por mim.

Fiquei ali quebrando uma bronha pensando no cuzinho dele, pensando nele me chupando e a culpa me consumiu. Fui para o quarto e fiquei lá trancado o dia todo, mas meus dias foram foda pra caralho, depois de descobrir esse tesão, eu queria sumir, foram dias que eu bebia todos os dias pra esquecer e ignorava meu filho em casa, até que ele de saco cheio da minha frieza disse que voltaria para a casa da mãe.

Entrei no quarto doido pra comer um cuzinho

Na mesma noite que recebi a notícia, entrei no quarto dele, ele tava dormindo, eu mais uma vez enchi a cara, cheguei perto dele e comecei a acariciar suas costas. Ele acordou me olhou assustado, perguntou o que eu tava fazendo.

-Eu sei que você também quer, não adianta a gente ficar desse jeito.

-Você tá doido né? e bebeu!

Eu nem deixei ele continuar, cheguei perto, segurei ele e dei um beijo na sua boca. Ele ficou sem reação e correspondeu meu beijo, nessa hora vi que o caminho tava livre, puxei ele pela cintura, deixei ele em pé, dei vários beijos nele, apertei sua bundinha gostosa.

Ele soltou um gemido, deu uma empinadinha eu arranquei seu short e comecei a abrir as bandas da sua bundinha pra dar uma chupadinha bem gostosa.

Ele soltou um gemido e empinou mais, eu meti minha língua naquele cuzinho depilado bem gostoso, foi uma delícia. Nessa hora não aguentei, lubrifiquei o cuzinho dele com cuspe e dei uma bela socada dentro, ele reclamou de dor, gemeu mas eu não parei.

-Calma putinho, vai ficar gostoso! Vai dizer que não é isso que você queria.

Ele só respondia gemendo, quando o cu dele acostumou com a grossura do meu pau eu iniciei um vai e vem bem gostoso, meti pra cacete, deixei ele bem empinadinho e aproveitei.

Eu enchi a bundinha dele de tapas, mandei ele empinar e meu filho safado me obedeceu direitinho, empinou cada vez mais o cu e eu meti pra caralho.

-Aiii, tá doendo, mas tá gostoso, aiii paii!

Porra, ouvir ele me chamando de pai enquanto eu arregaçava com ele só me dava mais tesão ainda, senti que não ia aguentar por muito tempo daquele jeito, tirei o pau pra fora antes que eu gozasse e pedi pra ele chupar meu pau todo melado do cuzinho dele.

O meu filho safado não pensou duas vezes e deu uma chupada gostosa na minha pica, segurei a cabeça dele e empurrei gostoso pra caralho na boca até ele engasgar, foi uma delícia e esse sacana me deu uma chupada de um jeito que nunca recebi na vida.

Ele chupou tanto e acabou me fazendo gozar bem gostoso, eu enchi a boquinha dele com meu leitinho grosso e fiquei doidinho quando vi o rombo que eu tinha deixado no cuzinho gostoso do meu filho. Hoje sou o homem dele, a gente vive numa boa e todas as noites eu desfruto desse cuzinho gostoso.

viadinho

Categorias:

Gay